quinta-feira, 19 de fevereiro de 2015

Conchabranca

outro dia
 ficasse esperando
    seu brilho pra vender
         e preencher o que ficou
              pra trás de tudo que o mar
                 não levou pro outro lado
do que achei que o problema era so voar pro outro lado do mar
mas nao levou tudo nao levei tudo o que ficou o mar levou
outro dia
se ficasse esperando mais um dia
era menos um
de respirar
essa areia fina de doer os olhos
esse suor seco de doer os olhos
com esses teus pelos de ranger os dentes
nos meus dentes
teu gosto lava forte o suor de areia que meus olhos nao viram entrar
como mar que batesse em meu cais
como mar que batesse em meu cais
como mar que batesse em meu cais
quebra cais
quebra e traz
quebre e traga
cada conchinha de lá, um marinheiro que nao voltou do mar mas ó!
é doce a agua de cá.
é agua doce a água de cá.
é mais doce a água de cá
vem cá

Nenhum comentário: